Sri Chinmoy

Sri Chinmoy portrait“Não tem de estudar os Vedas, os Upanishads, o Mahabharata e o Ramayana para mergulhar no secreto e sagrado conhecimento-luz. Aquele que realiza Deus, não incorpora apenas as escrituras – a sua essência e quintessência – mas também vai além, bem mais além do conhecimento-mares do passado.”
Sri Chinmoy

 

Sri Chinmoy é um Mestre que almeja inspirar e servir a humanidade. Ele realiza-se, oferecendo as suas meditações e obras literárias, musicais e artísticas.

Chinmoy Kumar Ghose nasceu no pequeno lugar de Shakpura, em Bengala Oriental (hoje Bangladesh), no ano de 1931. Era o mais novo de sete irmãos. Em 1944, depois da morte dos seus pais, o menino de 12 anos entrou para o Ashram de Sri Aurobindo, uma comunidade espiritual perto de Pondicherry, no sul da Índia. Lá passou os 20 anos seguintes dedicando-se à espiritualidade, incluindo longas horas de meditação, prática de atletismo, composição de poemas, canções espirituais e redacção de ensaios. Sri Chinmoy enfatiza, tanto a arte oriental do yoga e da meditação, como o dinamismo exterior. O seu yoga é considerado integral ou holístico. No início da adolescência, Sri Chinmoy teve muitas experiências interiores profundas. Nos anos seguintes, alcançou estados muito elevados de meditação. Em 1964, mudou-se para Nova Iorque, para compartilhar a sua riqueza interior com o ocidente.

Sri Chinmoy vê a aspiração – o incessante clamor do coração por realidades sempre mais elevadas e mais profundas – como a força espiritual que há por trás de todos os avanços grandiosos da religião, da cultura, do desporto e da ciência. Vivendo no coração e aspirando por auto-transcendência contínua, homens e mulheres podem extrair de si o seu melhor, encontrando o caminho para a verdadeira satisfação. Segundo o Mestre:

“A nossa meta é ir do mais iluminado do iluminado, ao muitíssimo iluminado, do mais elevado do elevado, ao muitíssimo elevado. Mesmo, no que há de mais elevado, não há limite para o progresso, pois o próprio Deus está dentro de cada indivíduo, transcendendo-se”
Sri Chinmoy

Sri Chinmoy é um exemplo notável das capacidades exteriores que podem advir de uma vida interior de oração e meditação. Músico notável, compôs mais de 17.000 canções em inglês e bengali. Nos últimos 25 anos, ofereceu 700 concertos de música meditativa para a paz. Através da música, ele transmite uma mensagem de harmonia exterior e paz interior. Sri Chinmoy não cobra nada pela orientação espiritual, concertos, palestras e meditações públicas. Escritor e poeta notável, Sri Chinmoy publicou mais de 1500 livros, surpreendendo pela quantidade, mas sobretudo, pela qualidade e profundeza da sua obra quer seja poesia, ensaios ou peças de teatro. Viajou com regularidade pelo mundo, encontrando-se com líderes comunitários e mundiais, com o intuito de promover a paz mundial. Por duas vezes consecutivas foi nomeado para candidato ao Prémio Nóbel da Páz, tendo sido o impulsionador de várias iniciativas para promover a solidariedade e união entre os povos, valendo-lhe várias distinções e prémios, da ONU, Unesco, de vários parlamentos e governos, de várias ONG’s, organizações religiosas e de solidariedade social, assim como, de inúmeras universidades, entre elas, as de Oxford e Cambridge. Estas homenagens têm vindo a multiplicar-se depois de em 2007, Sri Chinmoy ter deixado este mundo, ficando no entanto o seu enorme legado. Entre os múltiplos projectos que apadrinhou, destacam-se, a fundação de uma ONG Oneness-Heart-Tears and Smiles, assim como o programa de ajuda humanitária kids to kids, e a emblemática corrida, Sri Chinmoy Oneness Home Pecae Run.

Pergunta: Porque faz tudo isto?

Sri Chinmoy: Tento, de acordo com a minha humilde-capacidade, prestar serviço dedicado à humanidade. Vou às Nações Unidas para oferecer meditações desde 1970. Além disso, compus vários poemas e canções, e também fiz milhares e milhares de pinturas. Faço tudo isto para inspirar os outros. De igual modo, outras pessoas inspiram-me com variadíssimas coisas. Se inspiro as pessoas e elas me inspiram, ambos nos tornamos melhores seres humanos. Quando inspiramos os outros, criamos sempre algo de bom no mundo.